• 26 de maio de 2019

Em entrevista coletiva, bispos falam sobre laicato, questão indígena e atual conjuntura

 

Fonte CNBB – Entre os temas abordados na coletiva desta quinta-feira, 16, estiveram a conjuntura social e eclesial, a questão indígena no país e o laicato. Concederam entrevista à imprensa o  arcebispo do Rio de Janeiro (RJ), cardeal Orani João Tempesta; o bispo do Xingu (PA) e presidente do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), dom Erwin Krautler; e o bispo de Caçador (SC) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para o Laicato, dom Severino Clasen.

A entrevista foi conduzida pelo porta-voz da 53ªAssembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Dimas Lara Barbosa.

Na oportunidade, dom Dimas lembrou que o tema central da Assembleia de 2015 são as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE) para o quadriênio de 2015 a 2019.

O porta-voz da Conferência também mencionou que na sessão de hoje, os bispos cantaram parabéns ao papa Bento XVI que celebra, neste dia 15, 88 anos.

 

Conjuntura social e eclesial

 

Cardeal Orani João Tempesta retomou as análises de conjuntura social e eclesial, apresentadas na tarde de ontem, 15, respectivamente pelo ex-ministro Rubens Ricupero e pelo monsenhor Joel Portella Amado. Segundo dom Orani, “os dois assuntos ajudam a situar o trabalho dos bispos diante da necessidade de evangelização, de missão da Igreja na sociedade, como lembrou o tema da Campanha da Fraternidade 2015”.

“A grande questão que temos na conjuntura eclesial diz respeito às mudanças culturais e ao aprofundamento das diretrizes, para que, de fato, a evangelização possa acontecer nesse cenário”, explicou o cardeal.

 

Cristãos leigos

 

Outro tema da 53ª Assembleia, “Os cristãos leigos e leigas na Igreja e na sociedade”, foi apresentado por dom Severino Clasen. “É uma satisfação poder compartilhar com a imprensa o que temos construído sobre os cristãos leigos e leigas”, adiantou o bispo.

“Ano passado chegamos a esse texto de estudos nº 107 da CNBB, ‘Cristãos leigos e leigas na Igreja e na Sociedade – luz do mundo e sal da terra’. Agora, teremos uma nova versão, atualizada de acordo com sugestões e contribuições recolhidas de grupos, regionais e dioceses, ao longo do último ano”, disse dom Severino. Segundo ele, “o desejo dos bispos é que o texto 107 continue a trazer avanços, para que os leigos assumam seu papel no mundo e, assim, caminhem rumo a um mundo mais fraterno”.

O presidente da Comissão para o Laicato falou também, durante a coletiva, sobre os assassinatos de cristãos mundo afora e que são pouco divulgados. “Não podemos nos calar diante dessas injustiças”, pediu.

 

Questão Indígena

 

“Paixão é o que move”, respondeu dom Erwin Kräutler ao ser apresentado por dom Dimas como um bispo que mesmo vivendo sob ameaça de morte em decorrência de seu trabalho, não perde a paixão pelo que faz.

Dom Erwin falou à imprensa que até pouco tempo atrás o Xingu era sinônimo de presença indígena, mas “de um tempo pra cá o Xingu remete à usina de Belo Monte, hidrelétricas e até lava-jato”.

O bispo lembrou que, na época da Assembleia Constituinte, à frente do Cimi, esteve aliado aos índios na luta e conquista por direitos, que encheram o país de orgulho. Entretanto, dom Erwin ressalta que os direitos não são cumpridos.

“O tempo passa e apesar do prazo para a demarcação das terras indígenas terem expirado em 1993, permanecemos até hoje sem que tenha sido efetivamente feito. Deixar as terras indígenas sem demarcação é deixar escancaradas as portas para a exploração, qualquer ocupação. A grande parte das violências contra povos indígenas estão de certa maneira ligadas aos conflitos de terra”, disse. De acordo com o bispo do Xingu, a paralisação das demarcações de terras indígenas está ligada aos interesses do agronegócio, que cada vez conquista mais representantes no congresso.

“Eu me pergunto sobre o que é defender o interesse nacional. Interesse de quem, da nação ou de alguns? Eu acho que estão defendendo o interesse de alguns em detrimento dos mais fracos, dos povos que vivem lá, indígenas, quilombolas, ribeirinhos, não fomos perguntados. Inclusive, a situação é inconstitucional, uma vez que as decisões interessadas à região são tomadas pelo Congresso, em Brasília, quando os povos indígenas deveriam ser consultados no que diz respeito às suas áreas”, defendeu dom Erwin.

Paróquia Nossa Senhora de Nazaré

Ler anterior

Siena será sorteado no mês de maio

Ler próximo

Bispos iniciam debate sobre a revisão das Diretrizes Gerais

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *