Dei Verbum: a Revelação na história

1
97

Este é o texto do padre Fávio Colins publicado no Jornal do Maranhão da Arquidiocese de São Luís bi mês de maio.
Padre Flávio diz que “A definição da Revelação como o processo de comunicação de Deus à humanidade nos leva a pensar que ela não se deu de uma só vez”…

Dei Verbum: a Revelação na história

Por padre Flávio Colins, pároco

A definição da Revelação como o processo de comunicação de Deus à humanidade nos leva a pensar que ela não se deu de uma só vez. Com efeito, Deus definiu as etapas da história e, não estando longe de nós, fez com que os homens e mulheres o buscassem ao longo do tempo (cf. At 17,26-28) até que pudessem encontrá-lo.
Do Gênesis ao Apocalipse, a Bíblia é testemunha das várias etapas e do desenvolvimento da manifestação de Deus, aquilo que, na teologia, chamamos de economia da Revelação. Diz a DV 4: “A ‘economia’ cristã, como nova e definitiva aliança, jamais passará, e não há de se esperar nenhuma outra Revelação pública antes da gloriosa manifestação de nosso Senhor Jesus Cristo (cf. 1Tm 6,14; Tt 2,13)”.
A economia cristã é vista, pois, como “nova” e “definitiva” aliança em relação a uma aliança (alianças) anterior e não definitiva que faz parte da economia do Antigo Testamento; a nova e definitiva é a última etapa no desenvolvimento da Revelação na história, é a aliança no sangue de Cristo, derramado por nós (cf. Lc 22, 20).
Ora, Antigo Testamento quer dizer Antiga Aliança e se refere àquela estabelecida entre Deus e o povo, conforme o livro do Êxodo nos capítulos 19 a 24. Mas ela precisou ser muitas vezes renovada (Ex 34; Js 24) e até mesmo substituída (Jr 31) e isso testemunha o seu caráter provisório/parcial.
Por outro lado, não se compreenderia a Nova Aliança senão em relação a esta Antiga e, deste modo, ela é também necessária. Jesus é o Cristo que Deus Pai enviou para completar a sua obra começada desde a fundação do mundo e preparada pela várias etapas da história da Salvação.
Conforme a DV 3, “Deus oferece um testemunho perene de si mesmo na Criação”; cuidou continuamente do gênero humano, para dar a “vida eterna a todos os que procuram a salvação”. Esse processo se desenrola num arco de tempo de mais ou menos dois mil anos, de Abraão e Moisés até Jesus.
O livro do Gênesis narra a criação, a queda, a vida humana e seus desafios; em seguida, a história de Abraão, de Isaac, de Jacó e seus filhos; mostra o cuidado de Deus com a humanidade e as promessas que moverão toda a economia da Salvação;
Para cumprir suas promessas, Deus chama Moisés, lhe revela seu nome e o envia para libertar o povo hebreu no Egito, depois faz uma aliança com este no Monte Sinai (aliança sinaítica) e lhe dá a Lei como dom de vida (Ex – Dt). Ele, ainda, conduz o povo à terra prometida por meio de Josué e suscita os juízes para libertar e julgar o seu povo (Js – Jz);
Os livros de Samuel e Reis narram como Deus prepara um rei segundo o seu coração para pastorear o seu povo por meio da monarquia e, como, o povo infiel à aliança perdeu tudo no exílio de Babilônia; a história ali narrada é acompanhada pela atividade dos grandes profetas de Israel na defesa da fé e do direito do pobre, da justiça e da paz: Elias, Isaías, Jeremias, Ezequiel e os outros. Surge também ali a profecia sobre o Messias (2Sm 7) e o anúncio da vinda do Emanuel (Is 7) que mantém viva a esperança do povo em tempos de crise;
Uma releitura da história de Israel – desde a criação até o exílio purificador e o retorno para casa com a reconstrução do templo e da cidade de Jerusalém – nos é dada pela obra do Cronista, Esdras e Neemias que trazem também a nova organização religiosa ao redor do templo;
Os livros sapienciais refletem sobre a fé vivida no cotidiano com seus questionamentos (Sl; Jó; Pr; Ecl; Sb; Eclo); outros livros mostram a assistência e a providência de Deus (Rt; Tb; Jt; Est) e a defesa da fé e da religião (1Mc – 2Mc);
Finalmente, na plenitude dos tempos, o Novo Testamento conta a encarnação do Filho de Deus, sua vida, sua Paixão, Morte e Ressureição. Jesus Cristo é Palavra definitiva no processo da economia da Revelação; é a partir dele que toda a Escritura é interpretada e, nele, vem desvelado o seu sentido último e pleno.

1 COMENTÁRIO

  1. Sempre muito bom desfrutar dos comentários aos estudos bíblicos oriundos do Pe. Flávio. Muito inteligente e estudioso. A paróquia possui um grande teólogo, também. Parabéns!

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.